quarta-feira, 28 de novembro de 2012

Leonardo Da Vinci et la Cuisine...

Quem diria que o génio da antiguidade também se interessava por gastronomia?

"Notas de Cozinha de  Leonardo Da Vinci" são um pequeno e agradável livro que possuo na minha biblioteca há já alguns anos. Fascinei-me com a  sua leitura agradável e curiosa especialmente porque também eu, me interesso sobre a origem e estudo da gastronomia...




Em 1980 foi descoberto o Codex Romanoff ou, para simplificar, os "Cadernos de Cozinha" de Leonardo Da Vinci. Não existindo uma certeza absoluta, existem vários indícios nos escritos que nos permitem supor que essa relíquia seja autêntica.
Da Vinci anotava sistematicamente tudo aquilo que acontecia em sua vida. Escrevia com detalhe todos os acontecimentos, mesmo os mais banais.
Os seus conhecimentos avançaram não apenas na área das artes plásticas e da ciência, da engenharia ou da filosofia mas também na arte da mesa. Essa passagem de Leonardo pela gastronomia foi significativa, pois deixou-nos alguns acessórios  básicos, como os guardanapos e as tampas de panelas.


Da Vinci privilegiava os legumes e as verduras,  era vegetariano. Acreditava que eram alimentos mais leves e saudáveis,  numa época em que poucas pessoas se importavem com a relação entre alimentação e saúde.

Em sociedade com o amigo Sandro Botticelli, chegou a abrir um restaurante. Foi um verdadeiro e retumbante fracasso comercial, especialmente pelo fato de que não se serviam pratos com carnes.Da Vinci e Botticelli preparavam pratos ornamentados, uma tendência que se celebraria no período contemporâneo, para a qual as pessoas comuns do Renascimento não estavam preparadas.

Leonardo trabalhou também como mestre de cerimónias para os banquetes do poderoso Ludovico Sforza, governante da poderosa cidade italiana de Milão. Não organizava o cardápio devido às suas tendências vegetarianas mas, organizava os  banquetes quanto aos serviços, os instrumentais utilizados, a programação artística, a ornamentação dos locais onde se realizariam as refeições...


Atentem neste manjar:

Pudim de Mosquito Branco
Moa amêndoas descascadas e sem pele junto com um pouco de flores de sabugueiro e passe tudo pela peneira. Cozinhe lentamente por meia hora, junte peito de capão cozido com um pouco de mel e moa tudo. Regue a mistura com água de rosas e sirva de imediato. Este prato é de digestão muito lenta e não aconselhável para aqueles que têm a Peste e para aqueles que querem saber por que tem este nome, questão à qual não posso responder.
Bibliografia : notas retiradas do site -  http://www.planetaeducacao.com.


1 comentário:

  1. Um homem fascinante e verdade. Um visionario! Gostei.

    ResponderEliminar